21 maio 2008

O que é de fato significativo?

O filho que muitas vezes não limpa o quarto e fica vendo televisão,
significa que...
está em casa!

A desordem que tenho que limpar depois de uma festa,
significa que...
estivemos rodeados de familiares e amigos!

As roupas que estão apertadas,
significa que...
tenho mais do que o suficiente para comer!

O trabalho que tenho em limpar a casa,
significa que...
tenho uma casa!

As queixas que escuto acerca do governo,
significa que...
tenho liberdade de expressão!

Não encontro estacionamento,
significa que...
tenho carro!

Os gritos das crianças,
significa que...
posso ouvir!

O cansaço no final do dia,
significa que...
posso trabalhar!

O despertador que me acorda todas as manhãs,
significa que...
estou vivo!

(Line Lily)

18 maio 2008

Só por hoje

Vamos tentar, amigos? Só por hoje, e apenas por hoje...

* Só por hoje, procurarei viver o dia que passa apenas, sem tentar resolver ao mesmo tempo os problemas da minha vida inteira. Por 12 horas apenas, poderei executar alguma coisa que encheria de pavor se tivesse de realizá-la pelo resto de minha vida.
* Só por hoje, me sentirei feliz. Farei verdadeira aquela frase de Abraham Lincoln: “A maior parte das pessoas é tão feliz quanto resolve ser”.
* Só por hoje, procurarei fortalecer minha inteligência. Aprenderei alguma coisa útil. Lerei alguma coisa que exija esforço, pensamento e concentração.
* Só por hoje, procurarei ajustar-me aos fatos, em vez de procurar ajustar tudo o que existe a meus próprios desejos.
* Só por hoje, exercitarei minha alma de três maneiras: procurarei fazer um benefício a alguém, sem contá-lo a quem quer que seja. Farei pelo menos duas coisas que não desejava fazer - só por exercício. E hoje, se alguma coisa magoar-me, não revelarei a ninguém.
* Só por hoje, procurarei mostrar a melhor aparência possível, vestir-me bem, falar baixo, agir delicadamente, não fazer críticas, e não tentarei corrigir nem dar ordens a ninguém, a não ser a mim próprio.
* Só por hoje, estabelecerei um programa de ação. É possível que eu não o siga à risca, mas tentarei. Livrar-me-ei de duas pragas: a pressa e a indecisão.
* Só por hoje, dedicarei meia hora a mim mesmo para meditação e repouso. Durante este tempo procurarei divisar uma perspectiva mais clara de minha vida.
* Só por hoje, não terei medo. Especialmente, não hei de ter medo de apreciar a beleza e de acreditar que aquilo que eu der ao mundo, o mundo me devolverá.

O autor desta mensagem, Kenneth Holmes, baseou-se em um folheto que carregou muito tempo consigo, intitulado “Só por hoje” e distribuído pelos A.A (Alcoólicos Anônimos), procurando torná-la aplicável a qualquer pessoa, em qualquer lugar, em qualquer tempo. (Publicado pela revista Seleções do Reader's Digest, de janeiro de 1967)

15 maio 2008

Direito e Dever

A Doutrina Espírita nos revela, com maior amplitude, as Leis Morais que regem a existência do homem, e que emanam do Criador. Aprofundando-se a análise dessas Leis, evidencia-se o equilíbrio que rege a Natureza, onde encontramos a presença de direitos e de deveres que se apresentam sempre juntos.
Assim, o direito de viver – o primeiro de todos – vem sempre acompanhado do dever de preservar a vida.
O direito de ser amado apresenta-se sempre junto com o dever de amar.
O direito de ser atendido nas necessidades básicas não se desassocia do dever de atender ao próximo em suas carências.
O direito à liberdade de ação – alvo de tantas lutas humanas – vem sempre associado ao dever de assumir a responsabilidade que dela provém.
Francisco Cândido Xavier, cujo retorno à Pátria Espiritual completa um ano neste mês, instado a manifestar-se a respeito do que é certo no comportamento que nos cabe adotar diante da vida, afirmou com inspirada sabedoria assentada nos ensinos do Evangelho: "O certo é sempre o dever retamente cumprido."
Sem dúvida, a Providência Divina prodigaliza ao homem inúmeras oportunidades de ação, na qual se encontram, perfeitamente integradas, a manifestação de direitos e de deveres.
Como nos lembrou e exemplificou em sua existência o venerável médium e apóstolo do Espiritismo cristão, e diante do princípio de solidariedade – implícito em todos os ensinos da Boa Nova –, hoje sabemos, junto à nossa própria consciência, que usufruiremos os direitos que as Leis Divinas nos disponibilizam, na mesma proporção em que cumprirmos os nossos deveres para com Deus, o próximo e tudo o que nos cerca.
Em síntese: todo direito decorre do dever bem cumprido.
(Fonte: Revista Reformador de junho de 2003)

10 maio 2008

Pais

"E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrinae admoestação do Senhor." - Paulo. (EFÉSIOS, 6:4.)

Assumir compromissos na paternidade e na maternidade constitui engrandecimentodo espírito, sempre que o homem e a mulher lhes compreendam o caráter divino. Infelizmente,o Planeta ainda apresenta enorme percentagem de criaturas malavisadas relativamente a esses sublimes atributos.

Grande número de homens e mulheres procura prazeres envenenados nesseparticular. Os que se localizam, contudo, na perseguição à fantasia ruinosa,vivem ainda longe das verdadeiras noções de humanidade e devem ser colocadosà margem de qualquer apreciação.

Urge reconhecer, aliás, que o Evangelho não fala aos embriões da espiritualidade,mas às inteligências e corações que já se mostram suscetíveis de receber-lhe o concurso.

Os pais do mundo, admitidos às assembléias de Jesus, precisam compreender a complexidadee grandeza do trabalho que lhes assiste. É natural que se interessem pelomundo, pelos acontecimentos vulgares, todavia, é imprescindível não perder de vistaque o lar é o mundo essencial, onde se deve atender aos desígnios divinos, no tocanteaos serviços mais importantes que lhes foram conferidos. Os filhos são as obraspreciosas que o Senhor lhes confia às mãos, solicitando-lhes cooperação amorosa e eficiente.

Receber encargos desse teor é alcançar nobres títulos de confiança. Por isso, criar os filhinhos e aperfeiçoá-los não é serviço tão fácil. A maioria dos paishumanos vivem desviados, através de vários modos, seja nos excessos deternura ou na demasia de exigência, mas à luz do Evangelho caminharão todosno rumo da era nova, compreendendo que, se para ser pai ou mãe sãonecessários profundos dotes de amor, à frente dessas qualidades deve brilhar o divinodom do equilíbrio.

Do Livro: Vinha de Luz (Francisco Candido Xavier — Pelo Espírito Emmanuel)

08 maio 2008

Oração da Serenidade

Concedei-nos, Senhor, a serenidade necessária para aceitar as coisas que não podemos modificar, coragem para modificar aquelas que podemos e sabedoria para distinguir umas das outras.    
 
 
O QUE É A SERENIDADE?
O termo é definido do varias maneiras: a calma, o sossego, a paz, e tranqüilidade, a paz da mente, o equilíbrio emocional, o estado não perturbado, O sangue frio e o domínio de si. Contudo, do ponto do vista prático, talvez a melhor definição seria "a capacidade de viver em paz com os problemas não resolvidos".
 
A Oração da Serenidade fala em "aceitar as coisas que não podemos modificar". A aceitação não deve ser confundida com a indiferença. A indiferença deixa do distinguir entre as coisas que podem e as que não podem ser mudadas. A indiferença paralisa a iniciativa. A aceitação libera a iniciativa, aliviando-a das cargas impossíveis. A aceitação é um ato do livre arbítrio, mas, para ser eficaz requer a coragem moral de se persistir apesar do problema imutável. A aceitação liberta o aceitante, rompendo-lhe as cadeias da autopiedade. Uma vez aceito o que não pode ser modificado, a gente fica livre para empenhar-se em novas atividades.
 
Foi dito que uma mente imatura procura um mundo idealístico. Queiramos ou não, precisamos encarar o mundo da realidade e aceitar a vida tal qual ela é, com todas as suas crueldades e inconsistências. Talvez, em ultima análise, o inicio da sabedora esta na simples admissão de que as coisas nem sempre são como queríamos que fossem. E que nós mesmos somos imperfeitos e não tão bondosos e trabalhadores quanto gostaríamos do ser.

06 maio 2008

Apontamentos Cristãos

1- Não te encolerizes.O punhal da nossa ira alcança-nos a própria saúde, impondo-nos o vírus da enfermidade.

2 - Não critiques.A lâmina de nossa reprovação volta-se, invariavelmente, contra nós, expondo-nos as próprias deficiências.

3 - Não comentes o mal do próximo.O lodo da maledicência derramar-se-á sobre os nossos passos, enodoando-nos o caminho.
4 - Não apedrejes.Os calhaus da nossa violência de hoje tomarão amanhã, por alvo, a nossa própria cabeça.
5 - Não desesperes.O raio de nossa inconformação aniquilará a sementeira de nossos melhores sonhos.
6 - Não perturbes.O ruído de nossa dissensão desorientar-nos-á o próprio raciocínio.
7 - Não escarneças.O fel de nosso sarcasmo azedará o vinho da alegria no vaso de nosso coração, envenenando-nos a existência.
8 - Não escravizes.As algemas do nosso egoísmo aprisionar-nos-ão no cárcere da loucura.
9 - Não odeies.A labareda de nosso ódio incendiar-nos-á o próprio destino.
10 - Não firas.O golpe da nossa crueldade, brandido na direção, dos outros, retornará a nós mesmos, inevitavelmente, fazendo chagas de dor e aflição no corpo de nossa vida.

ANDRÉ LUIZ(Do livro "Vozes do Grande Além", Francisco Cândido Xavier)